quinta-feira, 1 de abril de 2010

Por Impulso do Coração


Capitulo III - Descoberta


Já era tarde quando enfim consegui dormi, para pouco depois despertar, o sol ainda estava para aparecer no horizonte, vesti-me para sair, ir ao Parque da Cidade, com esperança de ali encontra-lo. Em passos curtos caminhei ate a árvore, onde o conheci, além de pássaros e a natureza que a cercava, nada mais encontrei, ainda assim permaneci ali. Observei o nascer do sol, seus raios refletiam sobre mim, esse único raio foi suficiente para afastar muitas sombras, o calor aquecia a mim, a meu corpo. Pensava em cada minuto que passara no parque, no dia anterior. Quando me dei conta já era hora de ir ao colégio. Caminhei, agora em passos largos, cheguei pouco atrasada, mais ainda á tempo. A classe estava em silêncio, pois o professor chamara o nome de cada um, marcando presença. Pedi licença para entrar, e fui respondida positivamente. Sentei ao lado de minha melhor amiga, Jéssica D’onnel. A aula era de história, onde o professor revisara sobre o renascimento cultural. Antes havia estudado essa matéria, então a aula estava insuportavelmente, chata.

O sinal interrompeu meus vastos pensamentos.

- Menos uma aula – Jéssica disse sorridente.

Caminhei apressadamente até a sala de física, onde seria minha próxima aula.

- Você viu o novato do terceiro ano? – Diziam algumas pessoas.

- Qual o nome dele? – perguntavam outras.

- Ninguém sabe – respondiam.

Por um momento me bateu uma ponta de curiosidade. Quem seria esse aluno novo? Mais isso não importava para mim neste momento. As pessoas desse colégio pareciam nunca antes ter visto um garoto novato. Se bem que a maioria dos alunos quase “nasceram” neste colégio, estudam aqui desde a pré-escola. Menos eu. Fui transferida para este colégio pouco mais de dois anos, fora à mesma coisa comigo. “Quem é aquela novata?”. Odiava isso. Imagino que o garoto novo também não goste.

Na sala de física havia algumas contas, era uma sala ampla, onde alguns alunos já haviam chegado. Eu vagarosamente me aproximei e sentei ao lado de minha parceira de mesa. O professor entra na sala, onde começa a explicar temperatura, termometria ou algo do tipo, e eu, me perdi entre as tantas palavras que o Sr. Willians dizia. Senti-me perdida, então, coloquei a cabeça entre os braços e fechei bem os olhos.

- Senhorita Wightman, você poderia me responder essa pergunta? – Todos me olhavam. Corei.

- Você pode repetir, por favor? – perguntei.

- Essa é a ultima vez senhorita. Qual é o conceito de temperatura?

Eu não sabia a resposta, pois logicamente não prestava atenção na aula.

- Desculpe Sr. Willians. Não sei te responder essa pergunta. – corei mais uma vez.

- Certamente, você não estava prestando atenção – ele me olhou com uma cara de frustração. – Bom, escolherei outro aluno. Você, o aluno novo, qual seu nome?

Eu não me virei, não estava interessada na aula e muito menos nesse tal aluno novo. Lá do fundo me veio uma voz forte, mas ao mesmo tempo suave.

- Nicholas, professor, Nicholas Copperfield.

Imediatamente eu me lembrei desse nome, dessa voz. Virei-me o mais rápido possível, mas, rápido até demais que cai da cadeira torcendo meu tornozelo. Só ouvia alunos rindo e conseguia ver alguns vindo em minha direção, e entre eles, Nicholas.

- Você está bem – Dizia alguém.

Virei-me involuntariamente para responder, mais quando vi que era Nicholas, imediatamente engoli seco e não consegui responder. Apenas afirmei com a cabeça. O professor também me parecia bastante preocupado com meu estado, apesar de eu só ter torcido o tornozelo.

- Alguém a leve para a enfermaria! – gritava o Sr. Willians.

- Senhor eu posso levar, se ela não se importar.

Os dois juntamente viraram suas cabeças em minha direção. Apenas sorri.



4 comentários:

Juliana Yuri disse...

Adorei, ta muito Legal!!

Tays disse...

tá demais! atualiza!

Ana Bárbara disse...

Estou seguindo. Achei seu blog na comunidade Dicionário de sentimentos, beijos. (:

Byannka disse...

Aadorei , voc ta de parabéens ,
isso ta mesmo boom